'A Rosa Branca' resgata história dos estudantes que enfrentaram Hitler

Ir em baixo

'A Rosa Branca' resgata história dos estudantes que enfrentaram Hitler Empty 'A Rosa Branca' resgata história dos estudantes que enfrentaram Hitler

Mensagem por Dornberger em Seg Set 09, 2013 9:57 am

'A Rosa Branca' resgata história dos estudantes que enfrentaram Hitler Rosa%20branca_0
Seis pessoas, seis panfletos mimeografados, uns poucos mil leitores desconhecidos, a busca por liberdade e respeito. Nada mais perigoso para um regime ditatorial. Há 70 anos, em fevereiro de 1943, foram executados os primeiros membros do grupo de resistência que ficou conhecido como A Rosa Branca. Dois meses após a execução de Hans e Sophie Scholl e Christoph Probst, seguiu-se a condenação à morte de Alexander Schmorell, Willi Graf e Kurt Huber. Não se trata de escritores nem de filósofos ou de cientistas importantes, tampouco de grandes homens de Estado ou de revolucionários titânicos. Hans Scholl (1918-1943) e Christoph Probst (1919-1943) estudavam medicina na Universidade de Munique; Sophie (1921-1943) iniciara a faculdade de biologia e filosofia; Alexander Schmorell (1917-1943), amigo de infância de Probst, bem como Willi Graf (1918-1943), também estudavam medicina; Kurt Huber (1893-1943) era professor de filosofia. Juntos eles formavam o núcleo da Rosa Branca, cuja ação se resumiu fundamentalmente à produção e distribuição de panfletos contra o regime nacional-socialista. A eles se juntaram amigos, conhecidos, simpatizantes que ajudaram a distribuir os panfletos por diversas cidades alemãs. O nome A Rosa Branca foi utilizado como assinatura de quatro dos seis panfletos, mas o próprio grupo nunca usou o termo para referir-se a si mesmo.
Foi com o livro de Inge Scholl, irmã de Hans e Sophie, que essa história de resistência se tornou conhecida como A Rosa Branca. O livro foi escrito nos anos 50 e tem um caráter de recordação e de homenagem, sem pretender ser um livro histórico; sobre o movimento também foram feitos dois filmes: o primeiro foi lançado em 1982 por Michael Verhoeven (Die Weiße Rose) e se baseou em documentos pertencentes às famílias dos envolvidos; o segundo, Sophie Scholl, Die letzten Tage (2005) (conhecido no Brasil como Uma mulher contra Hitler), foi dirigido por Marc Rothemund e ganhou o Urso de Prata no Festival de Cinema de Berlim, pela direção de Rothemund e pela atuação da atriz Julia Jentsch no papel de Sophie Scholl. Enquanto o filme de Verhoeven procura mostrar a história do grupo como um todo, o segundo concentra-se no período que vai dos dias anteriores à prisão dos integrantes da Rosa Branca até sua execução, focando sempre a intensa figura humana de Sophie Scholl.
Mas se também houve outros movimentos de resistência ao nacional-socialismo na Alemanha (Jüdischer Kulturbund, Kreisauer-Kreis, Schulze-Boysen/Harnack Organisation, por exemplo), de diversas tendências políticas e religiosas, e se todos eles foram, mais cedo ou mais tarde, violentamente reprimidos pelo regime, o que faz de A Rosa Branca algo tão especial? Houve alguma mitificação dos integrantes do grupo, é verdade. Mas há também estudos históricos consistentes sobre cada um deles e sobre a época em geral — e os dados históricos não tornam a história do grupo menos impressionante. Ao contrário: a desproporção entre os meios utilizados pelo grupo e a violência do regime nazista evidencia a quase ingenuidade das ações de A Rosa Branca. E quanto mais avançam as pesquisas históricas sobre o grupo, mais elas evidenciam também sua desproporcional e luminosa grandeza humana.

Organizadoras: Tinka Reichmann e Juliana P. Perez, professoras da Área de Alemão da FFCLH/USP.
*
"A Rosa Branca"
Autor: Inge Scholl
Editora: Editora 34
Páginas: 272
FONTE: http://comunicacao.fflch.usp.br/node/3050
Dornberger
Dornberger
Admin

Mensagens : 100
Data de inscrição : 21/05/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum