Amerika Bomber - O Pássaro Prateado de Sanger

Ir em baixo

Amerika Bomber - O Pássaro Prateado de Sanger

Mensagem por Winston Churchill em Seg Jul 15, 2013 5:02 pm

Por Walter Dornberger

O Doutor Eugen Sänger publicou entre junho de 1935 e fevereiro de 1936 artigos sobre aeronaves movidas a foguete na revista austríaca Flug. Os artigos levaram a um convite do Alto Comando Alemão para que estabelecesse um instituto de pesquisas aeroespaciais secretas em Trauen, para desenvolver suas idéias.

O Pássaro de Prata, como a equipe de pesquisa o chamava, seria um avião hipersônico estratosférico, movido por motores-foguete a gasolina / oxigênio líquido, capaz de alcançar Mach 10 (cerca de 15.000 km/h!) a altitudes entre 60 e 75 km. Sänger vinha trabalhando no conceito há vários anos e de fato tinha começado o desenvolvimento por conta própria. Entre 1930 e 1935 ele aperfeiçoou, em inúmeros testes estáticos, um motor-foguete de refrigeração regenerativa, refrigerado por seu próprio combustível circulando na câmara de combustão. Esse motor produzia a impressionante velocidade de escape de 3.050 metros por segundo (para comparação, considere que o motor-foguete do A-4, desenvolvido posteriormente, alcançava a velocidade de 2.000 metros / segundo!). Sänger e equipe continuaram seu projeto em Trauen, sob o programa Amerika Bomber.

Em 1938 já se tinha chegado ao design final da aeronave, após exaustivos testes no único túnel de vento no mundo capaz de simular as condições de vôo hipersônico. Um dos modelos de teste aerodinâmico existe até hoje, e ainda impressiona por suas linhas elegantemente limpas e design futurista. A fuselagem era achatada, para ajudar a criar sustentação, e as asas eram curtas e com perfil em cunha. Uma superfície de controle horizontal com duas barbatanas verticais se projetava da cauda da fuselagem. O combustível era armazenado em dois grandes tanques, um de cada lado da fuselagem, localizados atrás das asas, e a frente das mesmas ficavam os tanques de oxigênio líquido. Um motor-foguete de 100 toneladas de empuxo ocupava a cauda, ladeado por dois foguetes auxiliares. O projeto incluía uma cabine pressurizada, trem de pouso retrátil, paiol de bombas interno e um escudo térmico ejetável para proteger as janelas da cabine. Um conceito extraordinário para a época!

Em operação, o Bombardeiro Sänger seria um híbrido de avião e espaçonave. Decolaria usando um trenó movido a foguete que desenvolveria um empuxo de 600 toneladas por 11 segundos, numa rampa monotrilho de 3km com 30 graus de inclinação. Atingidas a altitude de 1,5km e a velocidade de 1.850km/h, o motor principal seria acionado por 8 minutos, queimando 90 toneladas de combustível para levar o Pássaro de Prata a uma velocidade de 22.100km/h e uma altitude de mais de 145km seguindo uma trajetória semibalística. Desligando os motores antes de atingir a velocidade orbital, mergulharia em direção à atmosfera superior, ricocheteando ao atingi-la, prosseguindo como uma pedra saltando na superfície de um lago. Após lançar suas armas, planaria rumo a sua base. O alcance dependeria da carga de bombas: Nova York poderia ser atingida com uma carga bélica de 6 ton, com um tempo de chegada ao alvo de 1h45min partindo da Alemanha.

O trabalho no projeto continuou, até junho de 1941, quando as instalações para testes em escala real estavam sendo construídas, porém a Operação Barbarrosa, a invasão alemã da Rússia, levou Berlim a concentrar toda a pesquisa e desenvolvimento em projetos de tecnologia comprovada. Após isso o Doutor Sänger trabalhou no desenho de pulso-jatos para a DFS (Instituto Alemão de pesquisa de Planadores). Embora a Luftwaffe tenha proibido Sänger de publicar o resultado de suas pesquisas, algumas cópias de um relatório elaborado por ele em 1944, com a colaboração da matemática (e futura esposa) Irene Bredt vazaram para o exterior. O relatório Sänger-Bredt, como ficou conhecido, gerou interesse entre militares de vários países, tendo sido inclusive publicado pela Marinha Americana (Sänger, E. and I. Bredt ROCKET DRIVE FOR LONG RANGE BOMBERS Whittier (Califórnia), 1952: Robert Cornog, 175 páginas ). Mas onde ele gerou maior impacto foi na Rússia stalinista, resultando inclusive num plano de seqüestro!

Após a guerra, o Doutor Sänger foi convidado a trabalhar para o Ministério do Ar da França. Foi lá que, em 1947, ele foi alvo de uma tentativa fracassada de seqüestro. Segundo o desertor soviético e técnico em foguetes Tokady-Tokayef, em entrevista publicada no jornal inglês Daily Express em 25 de janeiro de 1949, a ordem de rapto, levada a cabo pelo NKVD, teria partido do próprio Stalin! O conceito de Sänger teria fascinado o ditador, o qual deu instruções para que um programa soviético similar tivesse a mais alta prioridade.

Em 29 de novembro de 1946 foi formado o Instituto de pesquisas NII-1 NKAAP, sob a chefia de Mstislav Vsevolodovich Keldysh. Keldysh abandonou os motores-foguete devido ao alto consumo de combustível, adotando a propulsão á pulso-jato como alternativa. Apesar dos recursos colocados a sua disposição, Keldysh reconheceu ter chegado a um beco-sem-saída em 1950, quando qualquer tentativa de construir um modelo em escala real teria esbarrado em dificuldades técnicas intransponíveis para a tecnologia da época. Sensatamente, redirecionou o trabalho de sua equipe para a área de mísseis de cruzeiro trans-continentais, tendo chegado a bons resultados práticos.

O princípio básico desenvolvido por Sänger ressurgiu muitas vezes ao longo do tempo, a mais recente sendo a demanda da USAF por uma aeronave de ataque com alcance global no prazo de duas horas (orientação do secretário de defesa Donald Rumsfeld ao Pentágono em junho de 2001).

O que aconteceria se o projeto de Sänger tivesse sido levado a cabo? Qual a diferença prática para o resultado da guerra de 10 ou 100 bombardeiros atacando Nova York com 6 toneladas de bombas cada? Provavelmente nenhuma. Ainda mais que, devido a alta velocidade da aeronave a precisão do ataque seria certamente marginal. A história de Sänger e seu Pássaro Prateado demonstra apenas a falta de coordenação em Pesquisa & Desenvolvimento vigente na Alemanha Hitlerista. Muito do trabalho desenvolvido por Sänger teve de ser posteriormente reinventado pela equipe de Peenemünde, sendo essa a regra geral da época: diversos grupos trabalhando em projetos correlatos sob direção de diferentes órgãos militares e industriais, gastando escassos recursos em pesquisas duplicadas, separados pelo ciúme das lideranças, quando não por puro e simples desconhecimento.

Quanto ao bombardeiro pesado de longo alcance, não tinha a Alemanha um modelo convencional, passível de aperfeiçoamento, sob a forma do Heinkel HE-177 Greif? Não foi o mesmo condenado ao fracasso desde o início pelo Comando da Luftwaffe, cego pela STUKA-MANIA?
Armas revolucionárias não ganham guerras, o que ajuda a ganhar as guerras são armas operacionais disponíveis em quantidade adequada no tempo e local nescessários!

_________________
"Truth is incontrovertible. Panic may resent it; ignorance may deride it; malice may distort it; but in the end, there it is."

"Arm yourselves, and be ye men of valour, and be in readiness for the conflict; for it is better for us to perish in battle than to look upon the outrage of our nation and our altar. As the will of God is in Heaven, even so let it be."

"I will begin by saying what everybody would like to ignore or forget but which must nevertheless be stated, namely that we have sustained a total and unmitigated defeat, and France has suffered even more than we have....the German dictator, instead of snatching the victuals from the table, has been content to have them served to him course by course."
avatar
Winston Churchill

Mensagens : 234
Data de inscrição : 18/05/2013
Idade : 42
Localização : Campinas, SP

Ver perfil do usuário http://www.clubedosgenerais.org

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum