Cientistas lançam manifesto pela descriminalização de drogas

Ir em baixo

Cientistas lançam manifesto pela descriminalização de drogas

Mensagem por Hoth em Qui Maio 23, 2013 8:34 am

Marcelo Gomes - O Estado de S. Paulo
RIO - Trinta cientistas ligados a universidades públicas e instituições de pesquisa de todo o País, além de dois ex-ministros do governo Lula (José Gomes Temporão, da Saúde, e Sergio Machado Rezende, da Ciência e Tecnologia) assinam um manifesto lançado nesta terça-feira, 21, no Rio de Janeiro, pedindo a descriminalização do uso de drogas no Brasil. Os signatários pedem que o Congresso altere a atual lei de drogas (Lei 11.343/2006), incluindo objetivamente um limite da quantidade de cada entorpecente que um indivíduo pode portar (ou plantar) para ser considerado usuário, e não traficante. Para eles, o dependente químico deve ser tratado como doente, e não como criminoso. O documento, no entanto, defende que seja mantida a criminalização do tráfico de drogas. O manifesto será entregue ao Congresso Nacional, em data ainda a ser estipulada.

"Há dois tipos de usuários: o recreativo e o dependente. Quem usa drogas apenas por lazer é um indivíduo sob risco. Com o tempo, ele pode se tornar compulsivo ou simplesmente parar. Precisa ser advertido e informado do perigo. Já o dependente químico é doente. Há base científica para considerar a dependência como doença. Dessa forma, ele deve ser tratado pelo sistema de saúde, e não pela justiça criminal", defende Roberto Lent, diretor do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e membro da Comissão Brasileira sobre Drogas e Democracia (CBDD).

Para Lent, a lei precisa distinguir claramente o usuário do traficante para evitar injustiças: "Como a legislação atual não faz essa definição de forma objetiva, quem avalia é o policial que está na rua. Se o indivíduo flagrado com drogas, mesmo que em pequena quantidade, for negro ou pobre, a chance de ser enquadrado como traficante é muito maior do que se fosse branco ou de classes abastadas. Isso gera um grande problema: mais da metade dos presos por porte de droga no Brasil são primários e estavam desarmados. Será que todas essas pessoas são mesmo traficantes?".

O especialista sugere que, após o estabelecimento de limites da quantidade de entorpecentes que os cidadãos poderiam portar sem serem criminalizados, a fiscalização seja feita nos mesmos moldes da Operação Lei Seca. "Nessas blitze, os agentes usam um bafômetro para medir o consumo de álcool por um motorista. No caso de outras drogas, o policial poderia ter uma balança na viatura para pesar a quantidade de entorpecente que alguém carrega. Acima de determinado limite, o indivíduo seria preso por tráfico. Se ficar abaixo, o policial poderia perguntar se ele é dependente e se gostaria de ser tratado. Caso sim, o cidadão seria encaminhado à uma comissão de psicólogos e assistentes sociais, por exemplo. Caso contrário, seria liberado. A polícia tem que se concentrar na repressão ao tráfico. E os sistemas de saúde e educação devem focar no uso".

Durante o lançamento do manifesto na sede do Viva Rio, na zona sul da cidade, o diretor executivo da ONG, Rubem Cesar Fernandes, criticou o projeto de lei 7.663/2010, em tramitação no Congresso, que endurece o tratamento dispensado a usuários e traficantes.

De autoria do deputado Osmar Terra (PMDB-RS), a proposta aumenta de cinco para oito anos de prisão a pena mínima para condenados por tráfico e autoriza a internação involuntária de dependentes. A medida também não estabelece uma quantidade de drogas para distinguir usuários e traficantes.

"Esta proposta vai na direção contrária do resto do mundo, ao reforçar o proibicionismo. Em seu último relatório apresentado na Colômbia, a Organização dos Estados Americanos avaliou que essa política não deu certo por três razões. Primeiro: apesar de proibidas, as drogas continuam a ser vendidas e ainda surgiram novos tipos. Em segundo lugar, essa prática fortaleceu o crime organizado, pois mercado proibido é monopólio do crime. E, por último, afasta quem tem problema, como os dependentes, do sistema de tratamento oficial, porque a questão das drogas virou um tabu".

Em entrevistas anteriores, Terra alegou que, se fosse estipulado um limite para o porte autorizado de drogas, os traficantes passariam a carregar apenas a quantidade permitida por lei e ninguém mais seria preso. Para o parlamentar, mesmo que o traficante venda pequenas quantidades de entorpecente para sustentar o próprio vício, isso é crime e deve ser punido com prisão.




http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,cientistas-lancam-manifesto-a-favor-da-descriminalizacao-do-uso-de-drogas,1034087,0.htm
avatar
Hoth

Mensagens : 51
Data de inscrição : 21/05/2013
Localização : Londrina

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cientistas lançam manifesto pela descriminalização de drogas

Mensagem por Cota em Qui Maio 23, 2013 9:01 am

Conheço um médico que defende a liberação das drogas e a produção e distribuição de drogas pelo governo. O cara quer drogas vai no posto, pega o que quer e pronto. Com isso ele fala que ia acabar com a violência ocasionada pelas drogas e os drogados vão morrer mais rápido.
avatar
Cota

Mensagens : 3
Data de inscrição : 22/05/2013
Idade : 40
Localização : Terra - Brasil - Gloriosa Região Sul

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cientistas lançam manifesto pela descriminalização de drogas

Mensagem por Hoth em Qui Maio 23, 2013 10:04 am

Eu não sei o que seria bom pra dependentes químicos, as vezes o que mais mata são as situações de riscos que eles enfrentam diariamente do que a droga.
avatar
Hoth

Mensagens : 51
Data de inscrição : 21/05/2013
Localização : Londrina

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cientistas lançam manifesto pela descriminalização de drogas

Mensagem por Winston Churchill em Qui Maio 23, 2013 11:21 am

Eu não consegui ainda ter uma opinião efetiva sobre a questão. O tráfico e sua violência são alimentados por duas razões:

1 - A ilegalidade
2 - O consumidor

Não creio que descriminalizar sem oficializar o comércio vá trazer qualquer benefício. Fora que não é possível comparar crack, heroína e cocaína com bebidas e cigarro, como muitos o fazem para justificar a descriminalização.

_________________
"Truth is incontrovertible. Panic may resent it; ignorance may deride it; malice may distort it; but in the end, there it is."

"Arm yourselves, and be ye men of valour, and be in readiness for the conflict; for it is better for us to perish in battle than to look upon the outrage of our nation and our altar. As the will of God is in Heaven, even so let it be."

"I will begin by saying what everybody would like to ignore or forget but which must nevertheless be stated, namely that we have sustained a total and unmitigated defeat, and France has suffered even more than we have....the German dictator, instead of snatching the victuals from the table, has been content to have them served to him course by course."
avatar
Winston Churchill

Mensagens : 234
Data de inscrição : 18/05/2013
Idade : 42
Localização : Campinas, SP

Ver perfil do usuário http://www.clubedosgenerais.org

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cientistas lançam manifesto pela descriminalização de drogas

Mensagem por Hoth em Qui Maio 23, 2013 2:19 pm

Eu só sei que cada droga é diferente da outra, desde a cola de sapateiro ao crack.
avatar
Hoth

Mensagens : 51
Data de inscrição : 21/05/2013
Localização : Londrina

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Cientistas lançam manifesto pela descriminalização de drogas

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum