CONFLITO NA MOLDÁVIA - A Guerra da Transnístria (1992)

Ir em baixo

CONFLITO NA MOLDÁVIA - A Guerra da Transnístria (1992)

Mensagem por Runds em Seg Out 28, 2013 8:54 am

Data: 2 de março a 21 de julho de 1992
Resultado: A Transnístria torna-se República Independente de fato, mas é reconhecida internacionalmente como parte da Moldávia

Beligerantes

 Grupos Paramilitares da Transnistria
 Elementos do 14º Exército Soviético
 Voluntários Russos
 Voluntários Ucranianos
 Cossacos do Don
 Moldávia
 Voluntários Romenos


Comandantes e Líderes

 Igor Smirrnov
 Alexander Lebed
 Mircea Snegur


Efetivos

14.000 soldados regulares
  9.000 soldados de milicia
  5.000 voluntários
25.000 soldados e voluntários

Após a dissolução da URSS, as tropas Rússia se viam por toda parte nos antigos estados da união. No caso da República da Moldova, ou Moldávia, um pequeno país entre a Romênia, o Rio Dnestr e Ucrânia, as tropas russas do ex-14º Exército Soviético recuou apenas até o Dnestr, continuando a ocupar a parte oriental do país, onde os membros da minoria russa declararam a chamada "Pridnestrovskaya Moldovska Republika” (RMP). Daí em diante começou o terrorismo contra a população moldava local, forçando mais de 10.000 pessoas a fugirem de suas casas em 1991. Na época, o comandante do ex-14º Exército Soviético era o Major General Lebed. Ele fez um pedido inusitado, ele pediu uma base própria para suas tropas na Moldávia e também em relação a Moscou, declarou o que parecia ser uma espécie de independência para si e seu comando. Na verdade, o 14º Exército ficou como "exército" apenas no nome, já que o efetivo ficou com não mais do que 10.000 homens, mal equipados em sem dinheiro, porém ainda na posse de estoques significativos de armas e munições. As unidades restantes ativas eram:

- Sede do 14º Exército ficou em Tiraspol.
- 59ª Divisão Motorizada de Rifles "Kramatorskaya", equipada com tanques T-64, MT-LB, bem como blindados BTR-80.
- 275ª Brigada de Mísseis, equipada com S-200/SA-5 Gammon, S-75/SA-2 e SAMs C-125/SA-3 Goa.
- 803º Regimento de Mísseis, equipado com 9M140 "Uragan", foguetes terra-terra 280mm.
- 1 Destacamento de helicóptero, com quatro aeronaves Mi-4 e quatro Mi-24.
- Diversos grupos paramilitares.

Curiosamente, apesar de organizar o que só pode ser descrito como um motim contra seus superiores legais, Lebed nunca foi demitido de seu comando, sendo ainda mais tarde promovido. Ao lado do 14º Exército "regular", também houve voluntários da Rússia, formando um grupo paramilitar, por vezes designado como "As Empresas Cossacas", combatendo sua própria guerra pela "Mãe Rússia". Vários voluntários nacionalistas Ucranianos, formaram organizações cujo objetivo era trazer Moldávia para o controle da Ucrânia, que foram bem ativos neste período, bem como vários senhores da guerra locais que organizaram as suas próprias "guardas". Os Moldávios foram apenas parcialmente bem sucedidos na construção de seu próprio exército, porém estavam longe de serem tão bem equipados como o 14º Exército. Seus efetivos tinham apenas poucas armas pesadas, algumas dezenas de APC’s (BTR-60 e BTR-70), e não possuíam tanques. Apenas uma pequena brigada motorizada foi organizada, enquanto a maioria das formações de combate eram baseadas em unidades policiais. Devido a isso, os russos Cossacos inicialmente não tiveram problemas em ocupar todas as pontes importantes sobre o Dnestr, e estabelecer boas posições, mesmo em locais a oeste deste rio, incluindo a cidade de Bendery (Tighina em romeno), com a finalidade de fazer cumprir as novas fronteiras da "Transnistriya". O membros das unidades policiais Moldavas, eram facilmente reconhecidos por utilizarem a inscrição "Politia" na parte de trás de seus casacos, que o identifica como oficial de polícia moldava, pois os russos na Transnístria ainda utilizavam a designação “полиция”, Polícia em russo. O Presidente da Moldávia, Snegur tentou negociar com Moscou, mas isso não daria qualquer resultado contra Lebed, já que seu “exército” estava praticamente na ilegalidade. A situação com a Romênia não era melhor, pois o governo Romeno estava realmente interessado em colocar a Moldávia sob seu controle. Na época, somente a França mostrou algum interesse na cooperação com a Moldávia, e assinou um Tratado de Amizade. Este foi de quase nenhuma importância para os eventos que se seguiram. Segundo os tratados da OSCE sobre as armas pesadas na Europa, os moldávios foram autorizados a ter 50 aviões de combate e 50 helicópteros; que na verdade eram números teóricos, já que os moldávios não poderiam comprar pela a falta de dinheiro, e mesmo interesse. No entanto, de acordo com os diferentes tratados sobre a dissolução da URSS, os moldávios poderiam assumir o equipamento das unidades militares soviéticas estacionadas no país. Como normalmente acontecia, os russos fizeram o possível para adiar a entrega de qualquer material, e só no início da primavera de 1992, algum equipamento entregue à República da Moldávia, entre outros:
- 34 aviões MiG-29A e C
-   6 aviões MiG-29UBs.
- IAP/119 da frota soviética do Mar Negro, com base em Markuleshty.
Inicialmente, não ficou claro como os moldavos iriam usar estas aeronaves, e haviam boatos de que seriam vendidas - ou trocadas por helicópteros com a Bielorrússia, Ucrânia e mesmo a Romênia. O Governo da Moldávia declarou em público não estar interessado em usá-los. Na época, haviam apenas 14 pilotos qualificados na Moldávia, todos eles antigos membros do exército soviético. Quatro deles, o major Vitaliy Russu, o capitão Alexandr Daranutsa, e os 1º Tenentes Svetoslav Neburak e Alexandr Popovitch, antigos membros da 643ª IAP (uma unidade assumida pela Ucrânia, em 1992). Todos treinados em MiG-29. Ao entrar na recém-criada Força Aérea da Moldávia, todos eles, juntamente com o comandante geral, major Nichola Bragish (que viria a se tornar o secretário de Defesa, da Moldávia), ganharam posições importantes. A qualidade da sua formação foi inicialmente questionada, mas o ex-comandante da 624ª IAP, o coronel Viktor Kalinin, declarou em uma entrevista: "Eles serviram bem seus papéis, especialmente Russu, que era um excelente piloto." Apesar da aquisição de alguns MiG-29, o plano era estabelecer uma única brigada de "resposta rápida". Também pensou-se em uma pequena unidade anti-terror. O governo da Moldávia ficou bem interessado na aquisição de mais helicópteros Mi-8MT, e foi ativamente pesquisar a aquisição junto a algumas ex-repúblicas soviéticas. No entanto, sem dinheiro, as negociações não foram adiante, e os militares da Moldávia tiveram de se contentar em operar oito Mi-8MTs, provavelmente deixados para trás pelos soviéticos. Também cerca de uma dúzia de Um 2s-, bem como alguns An-12, An-26 e An-32, num total de 72 aeronaves foram encontrados, deixados para trás pelos russos em retirada. Esses aviões provavelmente faziam parte da Aviação de Transporte de material da antiga URSS, mesmo que seja questionável se algum foi de fato baseada na Moldávia antes da guerra. O único aeroporto militar na área era o de Tiraspol, e ele estava fora do alcance das autoridades moldavas, pelo simples motivo de estar do lado “errado” do Rio Dnestr. Todos os aviões e helicópteros restantes estavam estacionados no aeródromo perto de Chisinau, capital Moldávia. Antes mesmo da criação “formal” das forças armadas da Moldávia, as tensões com os russos aumentaram, principalmente como um número cada vez maior de refugiados da Moldávia, que chegavam mais próximo do Dnestr. Enquanto os paramilitares russos e as tropas do 14º Exército por repetidas vezes tiveram de recuar, até chegarem ao outro lado do rio. O moldávios, então decidiram assumir as pontes. Um dos primeiros confrontos ocorreram em Dubăsari, em 02 de Março de 1992, quando o moldávios tentaram trazer a ponte local sob seu controle. Em um curto choque, os russos capturaram um dos BTR’s-80 moldávios, sendo os 2 cidadãos Romenos que foram capturados com o veículo foram posteriormente fuzilados. A 59ª Divisão Motorizada de Rifles "Kramatorskaya" entrou em combate pela primeira vez em Maio de 1992, na batalha em Dubăsari, que terminou com um fiasco para os russos, que perderam um de seus T-64 de armas anti-tanque. Dois contra-ataques russos posteriores,  apoiados por dois T-64, foram rechaçados, quando os moldávios destruíram os tanques usando coquetéis Molotov, em combates de rua. A má coordenação com outras unidades resultou em pesadas perdas de blindados russos. Alguns T-64s (que oficialmente pertenciam ao 14º Exército Russo, mas foram realmente operados por brigadas mecanizadas de cossacos e outras organizações paramilitares), e apesar da utilização de pelo menos uma bateria de 2S3 "Akacia" obuseiros auto-propulsados, juntamente com APCs BTR-70 e MT-LB, os russos perderam uma série de veículos de combate durante essas batalhas, incluindo vários MT-LB APCs equipados torres improvisadas de ZU-23-2. Também "tanques" improvisados, construídos sobre chassis de MT-LB (na verdade, MT-lbs com placas de aço adicionais, e sacos de areia colocados na frente e laterais). O Cossacos na Transnístria utilizaram um APC improvisado, aparentemente um caminhão Kamaz com chapas de aço para proteção e (provavelmente) uma metralhadora RPK colocada no teto. Haviam também "tanques" que na verdade eram caminhões Kamaz e caminhões de outro tipo. Eles eram "blindados" somente pelo fato da adição de placas de aço. Alguns estavam armados com lançadores de foguetes UV-57-16, tirados de helicópteros Mil-Mi 4), que provaram serem vulneráveis aos RPG-7s. Três T-64s foram capturados de uma guarnição do Exército russo, que estava bloqueada pelo "Comitê Popular das Mulheres da Transnístria". Todos os 3 blindados foram imediatamente colocados para lutar, junto com outros cinco T-64s, na tentativa de capturar Bendery.  Quando os T-64s se moviam sobre a ponte para apoiar um ataque de infantaria em Bendery, as tropas russas retiraram-se. Sem o apoio de infantaria, T-64s russos eram presas fáceis para os moldavos. Dois blindados foram destruídos (1 por um disparo de um anti-tanque MT-12 Rapira de 100 mm e outro foi atingido na torre e depois incendiada), e outros 2 danificados (um por RPG-7, o outro no compartimento do motor, obrigando a tripulação a abandoná-lo. Algumas horas depois, a tripulação do veículo foi morta por fogo de metralhadora. Os russos alegaram que os moldavos sofreram 11 veículos blindados, 2 armas MT-12, 2 Rapira ZU-23-2, 5 veículos diversos e 80 mortos nesta batalha. Os russos alegaram ter perdido dois T-64s somente neste confronto. No final de junho de 1992, depois de várias batalhas, foi negociado um cessar fogo. O 14º exército russo ameaçou romper atravessar as várias em direção a Moldávia. Percebendo que não teriam como empurrar os russos para atrás do rio Dnestr, o Governo da Moldávia, ordenou a destruição de todas as pontes, de modo a tornar impossível a travessia dos russos. A força aérea moldava teve ordens de destruir as pontes sobre o Dnestr, entre as cidades de Bendery e Tiraspol, onde cortaria qualquer possibilidade da infantaria russa atingir sua meta. Em 22 de Junho de 1992, quatro MiG-29 foram preparadas para o ataque. Dois pilotados por Russu e Neburak, armados com seis bombas OFAB-250 cada um. Os outros dois pilotados por Daranuts e Popovitch, foram cobri-los. Um quinto MiG-29UB acompanhou o grupo. As 19:15 hrs, foi atacado a ponte sobre Bendery. Foi ligeiramente danificada, porém uma das bombas atingiu uma casa vizinha, matando vários civis que se encontravam em seu interior.  Fontes russas admitem que esse ataque causou pânico em Tiraspol, mas não revelam qualquer informação adicional sobre os seus efeitos. De fato, o aparecimento dos MiG’s Moldávos pegou os russos de surpresa. No entanto, o 14º Exército reagiu rapidamente ativando suas unidades de defesa aérea. No dia seguinte, dois MiG’s atacaram um grande terminal de petróleo em Blishniy Hutor, perto de Tiraspol, e desta vez os russos revidaram. Durante os dias seguintes, poucos vôos de MiG-29s moldavos foram registrado pelos russos. Numa noite de Junho de 1992, as unidades de defesa aérea do 14º Exército russo foram alertadas para um eminente ataque noturno de helicópteros moldavos, após seus radares terem detectado numerosos alvos em baixa velocidade e baixa altitude. A suposição era de que os helicópteros da Moldávia estariam se aproximando para um ataque. Isso nunca se concretizou. O que aconteceu foi que um Antonov An-24 Romeno ficou desorientado durante um vôo noturno para Chisinau e, em seguida, entrou no espaço aéreo Ucraniano. A aeronave foi interceptada por MiG’s-29 e Su-27 ucranianos. Para aliviar peso e fugir mais rapidamente dos caças que viam interceptá-los, a tripulação do antonov jogou fora alguns fardos de joio, que transportavam, que foi então levada pelo vento para Tiraspol. É evidente que o joio criou um alvo de grande porte no radar, que os operadores de radar russos interpretaram de modo errado. Felizmente, o erro foi detectado a tempo, e os SAM não foram lançados. No entanto, dias depois, os russos afirmaram ter abatido um antonov An-24 Romeno com mísseis SA-14 MANPADS, disparado pelas tropas da Guarda Nacional Republicana do Dnestr. Os romenos negaram ter perdido qualquer aeronave sobre a Moldávia. Na verdade sem perdas de qualquer tipo de aeronave de transporte romeno - civil ou militar – no mês de Junho de 1992.  Ainda em junho de 1992, uma unidade da Força Aérea Russa estacionado em Krim, Ucrânia, foi então preparado para participar no conflito, estabelecendo um bloqueio do espaço aéreo da Moldávia (vários ex-pilotos desta unidade mais tarde afirmaram ter derrubado alguns MiG-29 moldavos nos céus da Moldávia).
Resultados da Guerra  -  A situação na Moldávia continuou tensa por algum tempo, com os russos no controle das áreas a leste de Dnestr. O território controlado por eles era considerado “infestado” por corrupção e crime organizado. A OSCE iniciou negociações durante a reunião de Istambul, em 1999, Moscou concordou em retirar seus últimos 1.500 soldados e material militar da região até 2002. Moscou e Tiraspol deliberadamente “arrastam” a retirada das armas russas. A Rússia exerce verdadeiro controle sobre a região da Transnístria, através da presença de seus militares (bem como o fato de que a maioria dos dirigentes da Transnístria são cidadãos russos e ex-funcionários do Exército russo), não conseguiu até agora “controlar” as autoridades locais, mesmo com as tentativas de transformá-lo em outro enclave russo como o de Kaliningrado (antiga Prússia Oriental). Os nacionalistas russos permanecem determinados a manter a região Transistrian sob seu controle, e em 2005 o Vice-presidente da Duma russa, Sergeiy Baruin, reforçou a posição russa de que a Moldávia e Transnístria são 2 estados diferentes. Sem um maior envolvimento das potências ocidentais, é improvável que a situação mude.
Envolvimento Romeno - Em junho e julho de 1992, foram divulgados numerosos relatórios russos sobre o envolvimento Romeno na Moldávia. Os russos informaram que pilotos romenos estariam voando MiG’s moldavos, e que a Romênia estava apoiando ativamente o esforço de guerra da Moldávia. Na verdade, a maioria desses relatórios foram baseados no fato de que o romeno é a língua nativa na Moldávia. As autoridades romenas negaram qualquer tipo de envolvimento na Moldávia, mas é óbvio que houve vários tipos de contatos entre Bucareste e Chisinau. Uma delas resultou em um acordo de permuta, ao longo do qual o moldavos trocaram um de seus MiG-29 por algumas dezenas de blindados  BTR-60PB e BTR-70. Os primeiros foram considerados antigos e de difícil manutenção pelos romenos, que estavam ansiosos para terem em suas mãos um dos "Fulcrum Cs", originais dos estoques russos. Para surpresa desagradável dos romenos, a unidade de bloqueio de sinal estava faltando, ele havia sido substituído por um similar americano. Obviamente, os russos removeram o “Jammer” de todos os MiG-29s que tiveram de deixar para trás na Moldávia (é muito provável que os americanos experimentaram uma decepção semelhante quando eles compraram um número dessas aeronaves, em 1997). É certo que os romenos têm oferecido também outro tipo de assistência, especialmente na forma de manutenção para os MiG-29 e Mi-8, e através de fornecimento de equipamentos e munições. Enquanto isso, o governo da Moldávia repetidamente tentou se livrar de seus remanescentes MiG-29. Em 1994, 1 exemplar foi doado para a Romênia, e entre 4 e 6 foram entregues ao Sul do Iêmen. Um teria sido perdido e 1 danificado durante a guerra entre o Norte e o Iêmen do Sul - quando foram levados pela Moldávia através de mercenários iraquianos. Em 23 de Junho de 1997, o EUA e Moldávia assinaram um acordo de Redução Cooperativa de Ameaças, que autorizou os EUA a comprarem 21 dos MiG-29s, 6 deles a Moldávia havia herdado da Frota do Mar Negro da antiga URSS, juntamente com 500 mísseis ar-ar R-73. Em outubro do mesmo ano, dezenas de aviões C-17 da USAF desembarcaram em Chisinau e levaram as aeronaves e armas em questão. Embora acredita-se ter sido comprado pelos EUA, a fim de torná-las indisponíveis para que não caíssem nas mãos dos inimigos da Moldávia, afirma-se que a USAF estaria interessada em testar e estudar os MiG-29, especialmente a sua versão equipada para a implantação tático armas nucleares. Alguns relatórios indicam que os dez MiG-29 originalmente entregues à Eritreia, em 1998, vieram também da Moldávia, mas isso nunca foi confirmado.

Por Alexandru Stratulat & Cooper Tom.
Tradução: Rundstedt
avatar
Runds

Mensagens : 13
Data de inscrição : 23/05/2013
Idade : 42
Localização : Criciuma/SC

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum